AL aprova projeto para a implantação de centros de estudos de libras, braille e tadoma no Ceará

0
71

De acordo com o projeto, aprovado na manhã desta
quinta-feira (06) na Assembleia Legislativa (AL), os Centros de Estudos de
libras, braille e tadoma devem dispor de instalações físicas, enfermaria,
equipamentos e recursos humanos necessários para o atendimento das pessoas

 “Vivemos em contexto
histórico marcado por mudanças sociais e educacionais. É nesse novo cenário que
a sociedade vem percebendo a necessidade de acolher a pessoa com deficiência e
adotar uma nova postura frente a essa realidade”. Ressaltou a deputada Aderlânia
Noronha (SD), autora do projeto.

Além de buscar e aceitar a participação efetiva de pessoas
com deficiência auditiva e surdocegueira, bem como de seus responsáveis legais
e professores da rede pública de ensino do Estado do Ceará. Ficando assim, o
Poder Público autorizado a estabelecer convênios e parcerias com o Governo
Federal, prefeituras municipais e empresas privadas, para a consecução dos
objetivos por ele visados nesta Lei.

Aderlânia ressalta que o governador do Estado, Camilo Santana,
já sancionou a lei, aprovada pela Assembleia Legislativa, que autoriza a
criação de Centro Cearense de Idiomas (CCI) no Ceará. “As línguas estrangeiras
ensinadas no CCI são inglês e espanhol, e esses cursos são voltados aos estudantes
de escolas da rede pública do nosso Estado. E que agora ganham um olhar
especial com a implantação de libras, braille e tadoma”, enfatizou a
parlamentar

Tal iniciativa tem como objetivo conscientizar a sociedade
para a igualdade de oportunidades a todos os cidadãos; promover os direitos
humanos; conscientizar a população sobre assuntos de deficiência; as conquistas
da pessoa com deficiência e pensar a inclusão desse segmento na sociedade, para
que ele influencie os programas e políticas que o afetem. 

Em celebração ao Dia Internacional da Pessoa com Deficiência
que foi instituído pela Organização das Nações Unidas em outubro de 1992, em
comemoração ao término da década 1983-1992. A partir de então, a cada ano, no
dia 03 de dezembro, é estimulada uma reflexão sobre os direitos da pessoa com
deficiência.

“A acessibilidade de comunicação para as pessoas com a
deficiência ainda é insuficiente, visto que poucos são os trabalhos voltados
para esse campo, além de haver poucos profissionais capacitados ou com
conhecimento na área de surdocegueira” enfatizou a parlamentar.

Segundo a deputada Aderlânia, pela proposta, é interessante
especificar ainda que a variedade de comunicação para os surdocegos é muito
ampla. “Ela perpassa desde as formas de comunicação para aqueles que não podem
mais utilizar funcionalmente algum resíduo dos sentidos sensoriais até aqueles
que possuem resíduos em ambos os sentidos. Assim, as necessidades de
comunicação poderão se diversificar segundo as necessidades das pessoas que
apresentam a deficiência” informou a deputada Aderlânia.

Podemos dizer que, em termos de legislação, atingimos um
patamar satisfatório, especialmente depois da promulgação da Lei Brasileira de
Inclusão nº 13.146/2015 (ou Estatuto da Pessoa com Deficiência). Em relação às
práticas, esse movimento também é observado com destaque para a
institucionalização da oferta do Atendimento Educacional Especializado (AEE)
pelos sistemas de ensino. “Isso demanda o desenvolvimento de políticas e
práticas pedagógicas de atenção às diferenças baseadas na diversificação
didática e na preparação adequada do ambiente escolar para o recebimento dos
alunos público-alvo da Educação Especial” finalizou Aderlânia Noronha.

Informação Assessoria de Comunicação GAB (Rute Farias).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here